quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

NATAL: Polícia Civil identifica suspeito de matar advogado em Capim Macio

Uma investigação da Divisão de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) identificou que João Paulo Lima dos Santos, vulgo “Peruca” ou “Índio”, preso, nesta segunda-feira (04), pela equipe da 4a Delegacia de Polícia Civil de Natal é um dos homens suspeitos pelo homicídio do advogado Márcio Augusto Urbano Marinho, de 59 anos. A vítima foi assassinada no dia 08 de novembro deste ano, quando chegava em sua casa, no bairro Capim Macio, na zona Sul de Natal.
De acordo com o diretor da DHPP, delegado Marcos Vinicius, a equipe da investigação da Zona Sul responsável pelo caso já possui vários indícios de que ele atuou na cena do crime. “Nós estamos pedindo a colaboração da população para nos repassar informações que nos ajudem a elucidar o homicídio deste advogado”, solicitou o delegado Marcos Vinicius. Quem tiver alguma informação pode repassar de forma anônima e com garantia de sigilo para o Disque-Denúncia 181 ou para o telefone 3232.1195.

Lula diz que vai continuar a desafiar Moro e a Polícia Federal


Por Robson Pires, em

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, nesta terça-feira (5), que vai continuar desafiando o juiz Sergio Moro, o Ministério Público e a Polícia Federal a apresentar provas contra ele.
Em um discurso endereçado a estudantes e apoiadores, Lula recomendou que seus simpatizantes prestem atenção no que ouvem porque, segundo ele, “a mentira hoje chega em tempo real”.
‘Não fiquem com essa bobagem de que não vou ser candidato’, diz Lula
“Olha o que estão fazendo comigo neste momento. Eu poderia estar nervoso. Poderia estar irritado. Sei o que querem”, afirmou.

“É equívoco apostar que Lula não será candidato”


   Na noite de ontem, durante a cerimônia de premiação do “Brasileiros do Ano 2017”, da revista “IstoÉ”, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), disse ser um “equívoco” apostar que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está fora das disputas. “É um equívoco os partidos apostarem que Lula não será candidato. É preciso se preparar para enfrentá-lo na rua”. ACM Neto acredita, porém, que a candidatura de Bolsonaro deve se desidratar até às eleições

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Os militares vão detonar Bolsonaro


Por Robson Pires, em

Os militares vão detonar a candidatura de Jair Bolsonaro.
É a opinião de Jorge Bornhausen, em conversa com Eliane Cantanhêde.
Leia aqui:
“A oficialidade das Forças Armadas constitui a mais forte oposição à candidatura de Jair Bolsonaro, que largou a farda em litígio com o Exército, está há um quarto de século como deputado e tenta usar sua ligação antiga com a área militar para se lançar à Presidência.
‘O que os políticos falam contra o Bolsonaro conta a favor dele, mas quando os militares começarem a falar, aí, sim, isso vai pesar contra ele’, disse Bornhausen, referindo-se ao desgaste dos políticos e à aprovação dos militares na opinião pública.”

Polícia Civil identifica suspeito de matar advogado em Capim Macio


Por Robson Pires, em

Uma investigação da Divisão de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) identificou que João Paulo Lima dos Santos, vulgo “Peruca” ou “Índio”, preso, nesta segunda-feira (04), pela equipe da 4a Delegacia de Polícia Civil de Natal é um dos homens suspeitos pelo homicídio do advogado Márcio Augusto Urbano Marinho, de 59 anos. A vítima foi assassinada no dia 08 de novembro deste ano, quando chegava em sua casa, no bairro Capim Macio, na zona Sul de Natal.
De acordo com o diretor da DHPP, delegado Marcos Vinicius, a equipe da investigação da Zona Sul responsável pelo caso já possui vários indícios de que ele atuou na cena do crime. “Nós estamos pedindo a colaboração da população para nos repassar informações que nos ajudem a elucidar o homicídio deste advogado”, solicitou o delegado Marcos Vinicius. Quem tiver alguma informação pode repassar de forma anônima e com garantia de sigilo para o Disque-Denúncia 181 ou para o telefone 3232.1195.

Por Robson Pires, em

Reunidos em Assembleia na manhã de hoje (05), servidores técnico-administrativos da UFERSA decidiram paralisar suas atividades. A medida segue o calendário de lutas em defesa da previdência e a orientação da Federação Nacional (FASUBRA), que decidiu manter o dia de luta.
As centrais sindicais decidiram cancelar a greve geral convocada para o dia 5 de dezembro em virtude da decisão do governo de retirar da pauta a votação da reforma da Previdência, originalmente agendada para o dia 6, quarta-feira.
Em nota, a FASUBRA sindical orientou suas bases a seguir com a mobilização e construir a unidade com todos os sindicatos e movimentos sociais, para que se mantenham na luta com mobilizações organizadas neste dia 05 de dezembro.
A direção da seção sindical decidiu manter a data de paralisação em virtude de enxergar esse momento como ideal para o fortalecimento da categoria. A assembleia ato, que contou com a presença de outros movimentos sindicais, mostrou para a comunidade acadêmica da UFERSA que os servidores estão unidos contra qualquer medida que fira os direitos dos trabalhadores.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

MPF denuncia Henrique Alves, Eduardo Cunha, Lúcio Funaro e mais cinco

O Ministério Público Federal do Rio Grande do Norte denunciou nesta terça-feira (28) o ex-ministro Henrique Alves (PMDB), o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB) e o ex-operador do PMDB Lúcio Funaro por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Além deles, outras cinco pessoas ligadas a Alves também foram denunciadas.
A denúncia do MPF-RN se refere a um suposto esquema de cobrança de propina para empresas que procuravam financiamentos pela Caixa Econômica Federal. De acordo com os procuradores, a fraude teria rendido R$ 4.235.000,00, e o dinheiro deveria ser usado na campanha de Henrique Alves ao Governo do Rio Grande do Norte em 2014.
A denúncia é fruto de inquéritos policiais decorrentes de fatos e evidências oriundos da Operação Lava Jato. O esquema fraudulento, de acordo com o que diz o Ministério Público Federal no documento, foi detalhado nas colaborações premiadas de Lúcio Funaro e do empresário Fred Queiroz, preso na Operação Manus. Funaro seria o responsável por repassar o dinheiro sujo à campanha de Henrique Alves, e contou aos procuradores como funcionava o esquema.
O material apreendido na Operação Lavat também foi utilizado para embasar a denúncia oferecida pelo MPF.
Na mesma denúncia o MPF diz que pelo menos R$ 2 milhões do total da propina, quase metade,
foram repassados pela Odebrecht. A empresa teria apoiado a campanha com o repasse ilegal de verba por conta do interesse na privatização da Companhia de Águas e Esgotos do RN (Caern).
Entre os denunciados estão ex-assessores de Henrique Alves, como Norton Domingues Masera, que até outubro deste ano ocupava um cargo comissionado no Ministério do Turismo. Esses assessores teriam a responsabilidade de receber os montantes enviados por Lúcio Funaro para a campanha do ex-deputado ao Governo do Rio Grande do Norte.
De acordo com o que apurou o Ministério Público Federal, só Masera teria recebido R$ 600 mil em repasses realizados por Funaro.
O MPF alega na denúncia que os ex-assessores de Henrique Eduardo Alves compunham um grupo criminoso, que atuava sob o comando do ex-deputado. Ainda segundo o MPF, o grupo controlava politicamente as diretorias da Caixa Econômica, e barganhava propina de empresas em troca de aprovação de financiamentos.
Além de Henrique Alves, Lúcio Funaro e Eduardo Cunha, foram denunciados Arturo Silveira Dias De Arruda Câmara, José Geraldo Moura Da Fonseca Júnior, Aluízio Henrique Dutra De Almeida, Norton Domingues Masera e Paulo José Rodrigues Da Silva. Estes quatro últimos também foram denunciados por crime de organização criminosa.
O Ministério Público pede a condenação de todos os denunciados, bem como a devolução dos R$ 4,2 milhões e que eles sejam impedidos de exercer cargos públicos pelo dobro de tempo de prisão ao qual forem condenados.
Defesa
A defesa de Henrique Alves disse que só deve se pronunciar após ter acesso à denúncia. O advogado de Lúcio Funaro, Bruno Espiñeira, disse ao G1 que seu cliente continuará colaborando com as autoridades "de forma clara e efetiva". A reportagem ligou para o advogado do ex-deputado Eduardo Cunha, no entanto ele não atendeu as chamadas. As defesas dos demais denunciados não foram localizadas.

Fonte: G1/RN

Governo do RN vai pagar em Dezembro os proventos de Outubro

Na próxima quarta-feira, dia 6, serão pagos os que ganham entre R$ 2.001,00 e R$ 4 mil. Neste grupo são 21.688 servidores, que totalizam R$ 64,8 milhões.
No sábado, dia 9, será paga uma parcela de R$ 4 mil aos que recebem acima desse valor. O restante dessa faixa salarial será pago no dia 13 de dezembro. Concluída esta faixa soma um total de R$ 138,5 milhões, sendo 21.927 servidores.

Novembro
Em paralelo, o governo inicia o pagamento da folha de novembro com os servidores da Educação e dos órgãos da Administração Indireta que tem recursos próprios, independente da faixa salarial. Estes receberão seus salários amanhã, dia 30. Neste grupo são 23.247 servidores, num total de R$ 50,69 milhões.

Governo já pensa em deixar para 2018 votação da reforma da Previdência


 em

Distante dos 308 votos necessários para aprovar a reforma, o Palácio do Planalto não quer correr o risco de pautar a matéria e ser derrotado — o que traria impacto negativo imediato para o mercado, além de contaminar a aprovação de medidas de ajuste fiscal importantes para 2018, faltando apenas três semanas para encerrar o ano legislativo.
Por isso, nos próximos dias, dizem interlocutores do presidente Michel Temer, o governo deve assumir uma posição mais realista e reconhecer que a reforma da Previdência ficará para o ano que vem.
Para suavizar o cenário, será dada a mensagem que há um compromisso de que ela será pautada na Câmara em fevereiro. Esse discurso será amarrado num jantar, no próximo domingo, do presidente da República com líderes da base aliada.

Não há clima para Reforma da Previdência

 em

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), já disse que só coloca a Reforma da Previdência em pauta quando tiver os 308 votos necessários para aprovar a matéria. Porém, as contas estão longe disso. Nem os parlamentares da base governista querem votar o texto.